Fique por dentro

Postado em 25 de Março de 2015 às 19h52

Remédios poderão ter alta de até 7,70% no próximo mês

Comprar remédios deverá ficar de 5% a 7,70% mais caro a partir do mês que vem.

Nativa Farmácia e Manipulação Comprar remédios deverá ficar de 5% a 7,70% mais caro a partir do mês que vem. O reajuste anual que deverá ser aplicado no dia 31 de março elevará os preços de 19 mil...

O reajuste anual que deverá ser aplicado no dia 31 de março elevará os preços de 19 mil representações de medicamentos de referência (marcas famosas). Os novos valores para os consumidores, porém, deverão chegar às prateleiras ao longo do mês de abril.
Apesar de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não ter divulgado os percentuais oficiais de correção, que variam de acordo com a faixa em que o medicamento se enquadra, o Sindicato da Indústria Farmacêutica de São Paulo (Sindusfarma) já estimou os aumentos máximos para as três faixas: 7,70% para os remédios de nível 1 (faixa em que seus concorrentes genéricos têm participação igual ou superior a 20%), 6,35% para os de nível 2 (grupo em que os genéricos respondem por de 15% a 20% do mercado) e 5% para os de nível 3 (casos em que os concorrentes detêm menos de 15%).
— Quanto maior a participação dos genéricos (concorentes dos remédios de referência), maior o reajuste permitido pelo governo, já que a concorrência é mais acirrada — disse Renato Tamarozzi, diretor executivo da Associação Brasileira do Comércio Farmacêutico (ABCFarma).
O ajuste de preços levará em conta a inflação acumulada em 12 meses até fevereiro de 2015, pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).
Os remédios de nível 1, faixa que agrupa 21,57% dos medicamentos das farmácias, inclui tranquilizantes, diuréticos e anti-hísmicos. No nível 2, que engloba 26,70%, estão anestésicos, remédios para parar de fumar e antipsicóticos. O nível 3, com participação de 51,73%, tem vasodilatadores.
Para orientar os consumidores, o EXTRA pesquisou os preços atuais de 21 medicamentos, em três redes de farmácias, e mostra até quanto podem subir nos próximos meses. O Prazol, que custa R$ 29,72 na Venâncio, R$ 27,81 na Pacheco e R$ 28,20 na São Paulo, poderá ter seus valores reajustados para até R$ 32, R$ 29,95 e R$ 30,37, respectivamente.
O Viagra poderá passar de R$ 88,48 para R$ 92,90, na rede Venâncio; de R$ 85,69 para R$ 89,97, na Pacheco; e de R$ 95,50 para R$ 100,27, na São Paulo.
Fonte: O Globo

Veja também

Como detectar uma gripe comum e a H1N113/05/16Com sintomas diferentes é possível saber por qual vírus o paciente foi infectado Em meio a um surto de H1N1 no País, é importante estar atento às diferenças entre a doença e uma gripe comum. O alerta é da médica infectologista e diretoria da Atenção Especializada da Prefeitura de Itanhaém, Dra. Iloma Girrulat Bohen. “Na gripe comum, a pessoa tem coriza, dor de garganta, já na Influenza A/H1N1 a febre é alta......
Campanha Outubro Rosa chama atenção para a prevenção contra o câncer de mama06/10/15Doença responde por cerca de 60 mil ocorrências por ano Com taxas alarmantes de incidência, o câncer de mama é o tumor maligno mais comum entre as mulheres, com exceção dos tumores de pele do tipo não melanoma. Responde por cerca de 60 mil ocorrências por ano. Em......
Entenda como o Ebola age no organismo e porque é uma doença tão mortífera16/10/14Tratamento é precário e chega a custar US$ 1 mil por hora; segundo a OMS, taxa de mortalidade é de aproximadamente 70% O Ebola é um vírus que provoca uma doença violenta e altamente letal. Mas, na verdade, não é o vírus que mata as pessoas infectadas. Ao invés de atacar o sistema imunológico, como o vírus da AIDS,......

Voltar para Blog