Fique por dentro

Postado em 25 de Março de 2015 às 19h52

Remédios poderão ter alta de até 7,70% no próximo mês

Comprar remédios deverá ficar de 5% a 7,70% mais caro a partir do mês que vem.

Nativa Farmácia e Manipulação Comprar remédios deverá ficar de 5% a 7,70% mais caro a partir do mês que vem. O reajuste anual que deverá ser aplicado no dia 31 de março elevará os preços de 19 mil...

O reajuste anual que deverá ser aplicado no dia 31 de março elevará os preços de 19 mil representações de medicamentos de referência (marcas famosas). Os novos valores para os consumidores, porém, deverão chegar às prateleiras ao longo do mês de abril.
Apesar de a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não ter divulgado os percentuais oficiais de correção, que variam de acordo com a faixa em que o medicamento se enquadra, o Sindicato da Indústria Farmacêutica de São Paulo (Sindusfarma) já estimou os aumentos máximos para as três faixas: 7,70% para os remédios de nível 1 (faixa em que seus concorrentes genéricos têm participação igual ou superior a 20%), 6,35% para os de nível 2 (grupo em que os genéricos respondem por de 15% a 20% do mercado) e 5% para os de nível 3 (casos em que os concorrentes detêm menos de 15%).
— Quanto maior a participação dos genéricos (concorentes dos remédios de referência), maior o reajuste permitido pelo governo, já que a concorrência é mais acirrada — disse Renato Tamarozzi, diretor executivo da Associação Brasileira do Comércio Farmacêutico (ABCFarma).
O ajuste de preços levará em conta a inflação acumulada em 12 meses até fevereiro de 2015, pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).
Os remédios de nível 1, faixa que agrupa 21,57% dos medicamentos das farmácias, inclui tranquilizantes, diuréticos e anti-hísmicos. No nível 2, que engloba 26,70%, estão anestésicos, remédios para parar de fumar e antipsicóticos. O nível 3, com participação de 51,73%, tem vasodilatadores.
Para orientar os consumidores, o EXTRA pesquisou os preços atuais de 21 medicamentos, em três redes de farmácias, e mostra até quanto podem subir nos próximos meses. O Prazol, que custa R$ 29,72 na Venâncio, R$ 27,81 na Pacheco e R$ 28,20 na São Paulo, poderá ter seus valores reajustados para até R$ 32, R$ 29,95 e R$ 30,37, respectivamente.
O Viagra poderá passar de R$ 88,48 para R$ 92,90, na rede Venâncio; de R$ 85,69 para R$ 89,97, na Pacheco; e de R$ 95,50 para R$ 100,27, na São Paulo.
Fonte: O Globo

Veja também

Laboratório alemão cria doce que elimina as bactérias que causam a cárie 21/12/13 Boa notícia para quem é viciado em doces: cientistas do laboratório de biotecnologia ORGANOBALANCE, de Berlim, anunciaram a criação de uma guloseima que ajuda no combate às cáries. Ao contrário do que muita gente diz por aí, as cáries e cavidades que surgem nos dentes não são causadas pelas comidas açucaradas. A grande......
Nova técnica promete resultado de lipoaspiração sem cirurgia28/05/14I-Lipo usa laser para furar membrana de células de gordura, que é eliminada pelo corpo. Na primeira sessão, seria possível perder até 3 centímetros de gordura Imagine algo que oferecesse o mesmo resultado de uma lipoaspiração, mas que não envolvesse os riscos de uma cirurgia. Esta é a promessa da I-Lipo, nova técnica à base de laser disponível no Brasil. De......
Tomar medicamento vencido faz mal?20/01/16Fabricantes são obrigados a estampar data de validade nas embalagens dos produtos Manter em casa um pequeno estoque de medicamentos e um kit básico para curativos pode fazer toda a diferença em algumas situações. Pode ser útil ter em casa alguns medicamentos considerados de baixo-risco para usar em......

Voltar para Blog