Fique por dentro

Postado em 14 de Janeiro de 2016 às 12h11

Entenda as diferenças entre medicamentos genéricos, similares e de referência

Saiba mais sobre cada tipo de produto e porque existe tanta diferença de preço entre eles

Nativa Farmácia e Manipulação Saiba mais sobre cada tipo de produto e porque existe tanta diferença de preço entre eles Ao final de 2015, foram publicadas leis que alteraram o conceito de medicamento similar, o qual deverá ter a sua...

Ao final de 2015, foram publicadas leis que alteraram o conceito de medicamento similar, o qual deverá ter a sua eficácia, segurança e qualidade comprovadas de forma equivalente à adotada para o medicamento genérico. Com isso, esse tipo de medicamento poderá substituir o medicamento de referência prescrito pelo médico, do mesmo modo que o genérico.

O medicamento de referência, ou inovador, é o do laboratório que desenvolveu a pesquisa sobre determinada substância. Levou mais de dez anos e investiu centenas de milhões de dólares até chegar ao produto final, definindo claramente a indicação, posologia e as principais reações adversas. Tem garantido o retorno financeiro pelo registro da patente que lhe dá exclusividade de comercialização por um determinado período.

Findo o prazo, esses mesmos países preveem leis permitindo a produção dos genéricos. A principal justificativa para os genéricos é a concorrência trazendo redução de preço, comprovado em várias partes do mundo. Mas, a marca é importante e valiosa ao capitalismo, haja visto a maneira como é sua lembrança para a palha de aço ou lâmina de barbear. Assim, visando o lucro, algumas indústrias farmacêuticas optam em lançar produtos com marca própria, os similares em vez de genéricos. Um mesmo laboratório pode ter as duas linhas.

Do mesmo modo que os genéricos são obrigados a ter em sua composição, os similares deverão conter o mesmo princípio ativo, na mesma concentração, forma farmacêutica, via de administração, posologia e indicação terapêutica. Tudo isso para ser equivalente ao medicamento registrado como referência. E também deverão comprovar eficácia, segurança e qualidade. Porém, diferindo do genérico que usa a denominação da substância em si, o similar deverá ter nome comercial ou marca.

Mas para que as farmácias possam fazer a substituição do medicamento de referência pelo similar, as indústrias farmacêuticas deverão registrar a comprovação de que o seu produto é bioequivalente, ou seja, produzirá o mesmo resultado terapêutico que o inovador. As farmácias deverão ter listas dos medicamentos ditos intercambiáveis, ou seja, que podem ser substituídos com a autorização do consumidor.

E porque tanta diferença de preço entre eles?

Como dito anteriormente, no mercado Brasileiro existem esses mesmo 3 tipos de medicamentos, genérico, similar e de referência. Dificilmente o consumidor vai se deparar com descontos agressivos em medicamentos de referência, pois o fabricante por ter desenvolvido a fórmula e ter investido milhões em propagandas, não repassa descontos às farmácias quanto é repassado por fabricantes de medicamentos genéricos e similares, que por sua vez está produzindo uma cópia do medicamento referência, não necessitando, na maioria das vezes, investimento em pesquisa e propaganda, tornando o processo de fabricação extremamente barata. 


Fonte: Jornal da Orla

Veja também

Mito ou verdade: bebida alcoólica corta o efeito do medicamento?15/01/16Saiba como cada substância interage com o álcool Você está no meio de um tratamento médico e aí surge aquele convite para uma grande festa de casamento ou para um aniversário de um querido amigo. Surge a dúvida: será que posso tomar pelo menos uma latinha de cerveja ou uma dose de bebida destilada? Afinal, o álcool corta ou não o efeito dos medicamentos? Quem responde é o......
A pílula da inteligência24/11/14Já existem medicamentos capazes de turbinar o cérebro - para você pensar, estudar e trabalhar mais e melhor. Mas até que ponto é seguro tomá-los? "Eu tinha que me preparar para um trabalho e resolvi tomar um comprimido. O resultado foi incrível. Consegui estudar 12 horas sem parar." "Era uma época agitada na minha vida. Eu fazia faculdade de direito, trabalhava num......
Entenda como o Ebola age no organismo e porque é uma doença tão mortífera16/10/14Tratamento é precário e chega a custar US$ 1 mil por hora; segundo a OMS, taxa de mortalidade é de aproximadamente 70% O Ebola é um vírus que provoca uma doença violenta e altamente letal. Mas, na verdade, não é o vírus que mata as pessoas infectadas. Ao invés de atacar o sistema imunológico, como o vírus da AIDS,......

Voltar para Blog