Fique por dentro

Postado em 13 de Maio de 2016 às 12h05

Como detectar uma gripe comum e a H1N1

Com sintomas diferentes é possível saber por qual vírus o paciente foi infectado

Nativa Farmácia e Manipulação Com sintomas diferentes é possível saber por qual vírus o paciente foi infectado Em meio a um surto de H1N1 no País, é importante estar atento às diferenças entre a doença e uma...

Em meio a um surto de H1N1 no País, é importante estar atento às diferenças entre a doença e uma gripe comum. O alerta é da médica infectologista e diretoria da Atenção Especializada da Prefeitura de Itanhaém, Dra. Iloma Girrulat Bohen. “Na gripe comum, a pessoa tem coriza, dor de garganta, já na Influenza A/H1N1 a febre é alta e o paciente tem dores no corpo, tosse seca e em alguns casos diarréia e vômito”, explica.

De acordo com a especialista, o profissional médico é o responsável por avaliar se é H1N1 ou gripe comum. “O exame de raio-x é uma importante ferramenta para isso. Se a pessoa sentir os sintomas deve procurar auxílio nas primeiras 24 ou 48 horas, pois o efeito do medicamento antiviral é maior”, explica Iloma. Outra informação importante destacada pela profissional é evitar usar o ácido acetilsalicílico (AAS), pois o medicamento pode desencadear a síndrome de Reye, que pode agravar o caso.

Prevenção

O H1N1 não se transmite só pelo ar, por isso é muito importante orientar que o consumidor lavar as mãos com água e sabão, usar álcool gel e evitar colocar as mãos no nariz e na boca. “É preciso também abrir portas, janelas e evitar ambientes fechados e com ar condicionado para não ter risco maior de contaminação”, ressalta a infectologista.

As crianças de 6 meses a 5 anos, gestantes, puérperas (mulheres que deram a luz até 45 dias), idosos, profissionais da saúde, povos indígenas e pessoas portadoras de doenças crônicas e outras doenças que comprometam a imunidade devem ser vacinadas.

Fonte: A Tribuna

Veja também

Justiça manda liberar remédio com componente da maconha02/09/14Esta é a primeira vez que a Justiça determina que a Anvisa libere um remédio a base de THC, uma substância proibida no Brasil A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou por meio da assessoria de imprensa não ter sido notificada sobre a decisão da Justiça de Minas que determinava a liberação de medicamento que leva em sua fórmula o principal componente da maconha, o Tetraidrocanabinol (THC). A agencia afirma que quando for oficialmente comunicada......
Médicos canadenses analisaram 18 mulheres e impacto na cognição dos filhos18/12/13 Um estudo feito pela Universidade de Montreal, no Canadá, e apresentado resumidamente em um congresso anual da Sociedade de Neurociência dos EUA em San Diego, aponta que praticar exercícios físicos moderados na gravidez – 20......

Voltar para Blog