Fique por dentro

Postado em 17 de Janeiro de 2014 às 09h43

Shampoo com ou sem sal? Conheça os mitos e verdades deste dilema.

Nativa Farmácia e Manipulação Novo Conteúdo 01 O cloreto de sódio – Sodium chloride (NaCl) é utilizado pela indústria cosmética para ajuste da viscosidade de shampoos e sabonetes. O aumento da viscosidade na...

O cloreto de sódio – Sodium chloride (NaCl) é utilizado pela indústria cosmética para ajuste da viscosidade de shampoos e sabonetes.
O aumento da viscosidade na formulação ocorre ao associar-se o tensoativo primário, presente na formulação, com o NaCl, pelo aumento no tamanho das miscelas formadas pelo sistema tensoativo-eletrólito.
A presença do sal em shampoos tem causado polêmicas, e para a maioria dos profissionais da área de beleza capilar, cabelos expostos a lavagens sucessivas com shampoo espessado com sal provocam ressecamento e danos a fibra capilar.
Esses profissionais foram “induzidos” a pensarem dessa forma, associando o estado que o cabelo fica ao ser submetido ao banho de mar, que possui altas concentrações desse sal. No entanto, ao pensar dessa forma, não está se levando em consideração a concentração de cloreto de sódio presente nesta água e associado as demais condições climáticas que essa fibra capilar está sendo submetida como a radiação solar, umidade e vento.
Na edição de julho/agosto de 2011, vol. 23, Nº 04, a revista Cosmetics & Toiletries apresenta um artigo sobre o tema. O Instituto Schulman de Investigação Científica (ISIC), juntamente com a Universidade Anhembi Morumbi, o Departamento de Farmácia (FCF – USP) e a International Apecialty Products, com a colaboração da Dra. Vania R. Leite e pesquisadores, realizaram um estudo científico para avaliar a influência do cloreto de sódio adicionado aos shampoos na penteabilidade de mechas de cabelo (in vitro) e na análise sensorial descritiva (in vivo) de fios quimicamente alisados.
A conclusão do estudo demonstra que não existe diferença estatisticamente significativa entre os shampoos que foram espessados com NaCl e os que foram espessados com outros aditivos.
Os testes realizados foram de desembaraçamento, penteabilidade, deslizamento, flexibilidade, estática reduzida, brilho, volume diminuído e maciez.
A maioria dos shampoos que estão dispostos nas prateleiras dos setores de higiene e limpeza apresentam como um dos principais apelos mercadológicos “sem adição de sal”. Salienta-se a esta característica a “redução de danos à fibra capilar” e reforça que para cabelos quimicamente tratados, essa é a melhor opção, já que vai minimizar os danos da fibra desgastada por processos químicos de alisamentos/colorações/descolorações. O consumidor cauterizou essa informação e hoje, mesmo com os estudos científicos, a idéia do “shampoo sem sal” é a que mais se apresenta no setor de cosméticos e que é mais difundida pelo setor de marketing das empresas.
Cabe a nós farmacêuticos difundir as informações corretas, no entanto, como participantes do mercado de higiene e limpeza, não podemos ficar alheios às tendências e deixar que os estabelecimentos não possuam a opção do famoso “shampoo sem sal”.
As Bases QSP PARABEN FREE, aplicáveis ao mercado capilar seguem a tendência mundial do mercado de Hair Care, SEM ADICIONAR SAL. Dessa forma, cabe ao profissional na farmácia, ao manipular a base, caso necessite fazer correção de viscosidade, optar ou não pela adição do NaCl.

Agora é com você: Sem sal ou com sal?

Fonte: Cleomara Castro Silvão – Especialista em Cosmetologia
Responsãvel técnica pela Amazun Indústria de Cosméticos Ltda.

Veja também

É possível prevenir a calvície masculina?10/02/15Não dá para impedir o processo, mas é possível tratá-lo precocemente A alopecia androgenética, também conhecida como calvície masculina, é a maior causa da perda dos cabelos nos homens. A incidência dessa doença é determinada por influências genéticas, sendo que a prevalência mais alta está entre aqueles com ascendência europeia. Apesar de grande impacto psicológico, já estudado em diversas......
Remédio vencido pode perder eficácia e até causar doença nos rins18/02/14 Embora os maiores riscos do uso de medicamentos vencidos sejam outros, uma doença rara que afeta os rins, chamada acidose tubular renal foi descoberta como resultado do uso do antibiótico tetraciclina velho o bastante para que se degradasse em......

Voltar para Blog