Fique por dentro

Postado em 02 de Setembro de 2014 às 08h45

Justiça manda liberar remédio com componente da maconha

Esta é a primeira vez que a Justiça determina que a Anvisa libere um remédio a base de THC, uma substância proibida no Brasil

Nativa Farmácia e Manipulação Esta é a primeira vez que a Justiça determina que a Anvisa libere um remédio a base de THC, uma substância proibida no Brasil A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou por meio...

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou por meio da assessoria de imprensa não ter sido notificada sobre a decisão da Justiça de Minas que determinava a liberação de medicamento que leva em sua fórmula o principal componente da maconha, o Tetraidrocanabinol (THC). A agencia afirma que quando for oficialmente comunicada encaminhará uma notificação para a liberação do produto importado pela paciente.

Esta é a primeira vez que a Justiça determina que a Anvisa libere um remédio a base de THC, uma substância proibida no Brasil. Este ano, decisões semelhantes foram proferidas pela Justiça para permitir a liberação do canabidiol, outra substância derivada da maconha, que igualmente figura na lista de proscritos, mas sem efeito psicoativo.

Até agora, a Anvisa já autorizou 50 pedidos de importação dos medicamentos a base de canabidiol. As solicitações começaram a ser feitas em abril, quando mães e familiares de crianças que sofrem de crises convulsivas passaram a recorrer ao produto, considerado suplemento em outros países, como alternativa de tratamento. Dos pedidos de canabidiol, dois são fruto de ações judiciais. O remédio com THC, alvo da decisão judicial é o sativex. O medicamento já é registrado em outros países. No Brasil, no entanto, não há pedido para registro.

A Anvisa esclareceu que pacientes com recomendações médicas têm alternativa de encaminhar diretamente para a agência um pedido para liberação de importação de medicamentos que não tem registro no País, sem necessidade de recorrer à Justiça. Para isso, é preciso apresentar um pedido excepcional de importação para uso pessoal. Esse pedido deve vir acompanhado de prescrição médica, laudo e termo de responsabilidade. O prazo médio para análise dos documentos e definição sobre liberação é de uma semana.

FONTE: e-pharma

Veja também

Lançamento. Creme com veneno de cobra é sucesso27/01/14Que tal usar creme de veneno de cobra? A indústria de cosméticos não cansa de procurar novas fórmulas e dessa vez ingredientes bizarros estão fazendo sucesso! Mania entre as celebridades internacionais, cosméticos feitos a partir do veneno de cobra vem conquistando adeptas mundo afora com a promessa de combater o surgimento de rugas e linhas de expressão. Tudo porque a fórmula conta com uma versão sintetizada (feita no laboratório) da substância waglerina 1, encontrada no veneno da serpente Tropidolaemus Wagleri, mais conhecida......
Nutricolin®, mais do que uma fonte para as proteínas da beleza!04/08/16O código da beleza foi decifrado! O que é preciso para se sentir bem todos os dias? Essa pergunta rodeia nossas cabeças constantemente. Certamente, manter-se saudável e aparentando uns aninhos a menos já são maneiras de alcançar o bem-estar e o......
Substituir arroz branco pelo integral vale a pena?05/03/14Substituir arroz branco por arroz integral pode diminuir risco de obesidade e diabetes mellitus, em trabalho apresentado na International Diabetes Federation Wo Comer arroz integral ao invés de arroz branco pode ajudar a prevenir e controlar o diabetes mellitus em populações que se alimentam basicamente de arroz, sugere nova pesquisa. O primeiro ensaio clínico randomizado para comparar a......

Voltar para Blog